Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As Taras Da Lina

Geminiana de signo. Nascida à beira-mar e a viver nas montanhas. Gosto de viajar pelo mundo, pelos livros e pelo cinema. Licenciada em Comunicação. Dona de um pastor alemão. Convicta que a vida sabe sempre o que faz.

As Taras Da Lina

Geminiana de signo. Nascida à beira-mar e a viver nas montanhas. Gosto de viajar pelo mundo, pelos livros e pelo cinema. Licenciada em Comunicação. Dona de um pastor alemão. Convicta que a vida sabe sempre o que faz.

Sex | 08.03.19

Dia da Mulher

RP

É todos os dias. Mas para não passar em brano deixo-vos uma ode à mulher pelo Paulo Coelho.

"Não importa o quanto pesa. É fascinante tocar, abraçar e acariciar o corpo de uma mulher.
Saber seu peso não nos proporciona nenhuma emoção.
Não temos a menor idéia de qual seja seu manequim.
Nossa avaliação é visual. Isso quer dizer, se tem forma de guitarra… está bem.
Não nos importa quanto medem em centímetros - é uma questão de proporções, não de medidas.
As proporções ideais do corpo de uma mulher são: curvilíneas, cheinhas, femininas…
Essa classe de corpo que, sem dúvida, se nota numa fração de segundo.
As magrinhas que desfilam nas passarelas, seguem a tendência desenhada por estilistas que, diga-se de passagem, são todos gays e odeiam as mulheres e com elas competem. Suas modas são retas e sem formas e agridem o corpo que eles odeiam porque não podem tê-los.
Não há beleza mais irresistível na mulher do que a feminilidade e a doçura.
A elegância e o bom trato, são equivalentes a mil viagras.
A maquiagem foi inventada para que as mulheres a usem. Usem! Para andar de cara lavada, basta a nossa.
Os cabelos, quanto mais longos, melhor. Para andar com os cabelos curtos, bastam os nossos.
As saias foram inventadas para mostrar suas magníficas pernas. Porque razão as cobrem com calças longas?
Lei da natureza… que todo aquele que se casa com uma modelo magra, anoréxica, bulêmica e nervosa logo procura uma amante cheinha, simpática, tranquila e cheia de saúde.
Entendam de uma vez! Tratem de agradar a nós e não a vocês, porque, nunca terão uma referência objetiva, do quanto são lindas, dita por uma mulher.
Nenhuma mulher vai reconhecer jamais, diante de um homem, com sinceridade, que outra mulher é linda.
As jovens são lindas… mas as de 30 para cima, são verdadeiros pratos fortes. Por tantas delas somos capazes de atravessar o Atlântico a nado.
O corpo muda… cresce. Não podem pensar, sem ficarem psicóticas que podem entrar no mesmo vestido que usavam aos 18.
Entretanto uma mulher de 36, na qual entre a roupa que usou aos 18 anos, ou tem problemas de desenvolvimento ou está se auto-destruindo. Nós gostamos das mulheres que sabem conduzir sua vida com equilíbrio e sabem controlar sua natural tendência a culpas. Ou seja, aquela que quando tem que comer, come com vontade (a dieta virá em setembro, não antes; quando tem que fazer dieta, faz dieta com vontade não se saboteia e não sofre); quando tem que ter intimidade com o parceiro, tem com vontade; quando tem que comprar algo que goste, compra; quando tem que economizar, economiza.
Algumas linhas no rosto, algumas cicatrizes no ventre, algumas marcas de estrias não lhes tira a beleza. São feridas de guerra, testemunhas de que fizeram algo em suas vidas, não tiveram anos ‘em formol’ nem em spa… viveram!
O corpo da mulher é a prova de que Deus existe. É o sagrado recinto da gestação de todos os homens, onde foram alimentados, ninados e nós, sem querer, as enchemos de estrias, de cesárias e demais coisas que tiveram que acontecer para estarmos vivos.
Cuidem-no! Cuidem-se! Amem-se! A beleza é tudo isto. Tudo junto!"

 

Qui | 07.03.19

A Terra gira

RP

Eu não sei,

Nem como,

Nem quando,

Aqui cheguei.

Sem saber,

Dou por mim,

A viver a correr.

E o mundo segue,

Sem olhar para nós.

Queremos tudo,

Mas vivemos tudo a sós.

A terra gira em contramão,

Ficamos tontos sem direção,

Corremos até nos faltar o ar.

E a vida vai ficando para depois,

E continuamos os dois a sonhar.

Mal me vi,

No caminho,

Até chegar aqui.

Sem contar,

Corro às cegas,

Sem saber onde chegar.

E o mundo segue,

Sem olhar para nós.

Queremos tudo,

Mas vivemos tudo a sós.

A terra gira em contramão,

Ficamos tontos sem direção,

Corremos até nos faltar o ar.

E a vida vai ficando para depois,

E continuamos os dois a sonhar.

E mal nos encostamos aos lençóis.

Com a lua iluminando este T2.

Num instante, adormecemos os dois,

Mas, logo, chega a hora de acordar.

Ter | 05.03.19

O Abel da Casa Nova

RP

O Abel da Casa Nova tem uma paciência como nunca vi. Apesar de ser homem de poucas palavras as que profere são sentidas.

O Abel da Casa Nova dá o que tem e o que não tem. Até pode reclamar que a vida não corre de feição mas na hora da verdade ajuda no que pode mesmo que isso signifique tirar à boca para dar às filhas.

O Abel da Casa Nova foi para Leça da Palmeira aos 14 anos. Viu o mar pela primeira vez e teve medo. Quis voltar atrás para a aldeia, para o seu porto seguro mas não sabia como o fazer. Viveu no farol e ainda hoje descreve com a sua memória prodigiosa as aventuras e desventuras que teve na praia da Boa Nova.

O Abel da Casa Nova era filho de sacristão. Era também filho da Albertina que devido à doença e posterior morte do marido criou os filhos sozinha ensinando-os a serem pessoas responsáveis e a não dependerem de ninguém. 

O Abel da Casa Nova nunca me levantou a voz, ou a mão. Quando era pequena se partia algo assumia a culpa para a minha mãe não me dar uma sapatada. À terça, o seu dia de folga, de manhã víamos os filmes do Bud Spencer e à tarde íamos passear para Matosinhos. Levava o bolso cheio de trocos porque já sabia que sempre que passássemos por mendigos eu pedia para ele lhes dar uma moeda. E íamos sempre comer bolinhos de bacalhau ao Citânia. Eram terças felizes.

Se o Abel da Casa Nova fosse uma palavra eu diria generosidade. Está sempre pronto a oferecer uma cavaca a quem me visita. Mostra casas de Turismo a pessoas que não entende a língua mas mete-se no carro e ensina-lhes o caminho. Está sempre preocupado se o meu cão tem comida que chegue.

O Abel da Casa Nova é bondoso. Mas não gosta de demonstrar sentimentos. Não gosta que o abrace ou lhe dê um beijinho. Se disser que gosto dele desdenha com ironia (a quem é que sairei?). Muito menos gosta de textos como este. E não vai ler isto. Ou se o fizer irá dizer que não gostou e que não tenho nada que escrever sobre ele. Mas não faz mal. Eu gosto dele assim. Parabéns pai.

11083707_939377519413903_812569683667121724_o.jpg

 

Seg | 04.03.19

Resende Experience

RP

Por vezes sabe bem fazer turismo pelo nóssio próprio cantinho. 
Este sábado fiz um safari fotográfico por sítios que tenho acesso basicamente todos os dias e nem me dou conta da sorte que tenho. Só vejo o quão privilegiada sou quando trago alguém de fora e lhe mostro o que Resende tem para oferecer. 

Deixo-vos algumas fotos de recantos meus. Já fui muito feliz em alguns deles. Outros foram o meu refúgio quando o meu mundo desabou e precisei de extrapolar, deitar o sofrimento para fora, chorar, sem dar a entender a terceiros o que se passava. E todos eles fazem parte da minha vida. 

E lembram-me sempre de respirar.

53786434_2312888748729433_5558037570534768640_n.jp

Praia Fluvial de Porto de Rei 

(Freguesia de São João de Fontoura)

52880616_2312888808729427_3388854674013552640_n.jp

Vista a partir do Castelo do Castro da Mogueira

(Freguesia de São Martinho de Mouros)

53362554_2312888885396086_3686316579856842752_n.jp

Parque do Carvalhal

(Freguesia de Santa Maria de Cárquere)

53690264_2312888965396078_7357296316830973952_n.jp

Penedo de S. João

(Freguesia de Freigil)

53064287_2312889068729401_5423517472542162944_n.jp

A ilustre Casa de Ramires do romance do Eça de Queirós

(Freguesia de São Cipriano)

53450774_2312889132062728_6878239354012041216_n.jp

Capela do São Cristóvão

(União de Freguesias de Felgueiras e Feirão)

53219001_2312889195396055_4081549451938758656_n.jp

Ponte da Panchorra 

(União de freguesias de Ovadas e Panchorra)

Pág. 3/3