Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As Taras Da Lina

Geminiana de signo. Nascida à beira-mar e a viver nas montanhas. Gosto de viajar pelo mundo, pelos livros e pelo cinema. Licenciada em Comunicação. Dona de um pastor alemão. Convicta que a vida sabe sempre o que faz.

As Taras Da Lina

Geminiana de signo. Nascida à beira-mar e a viver nas montanhas. Gosto de viajar pelo mundo, pelos livros e pelo cinema. Licenciada em Comunicação. Dona de um pastor alemão. Convicta que a vida sabe sempre o que faz.

Dom | 21.07.19

21 de Julho - Dia da Amiga

RP

Dizem que o dia dos amigos é no 20 de Julho mas para mim é a 21.

Isto porque é neste dia que faz anos uma das pessoas mais extraordinárias que conheço.

No início e já lá vão 12 anos não "fui" com a cara dela. Achava que ela tinha a mania. Não podia estar mais errada.

Atualmente não me vejo sem ela. As melhores gargalhadas dei-as a seu lado. As lágrimas mais sentidas foi ela quem as limpou. Às vezes divergimos na opinião mas não é por isso que deixamos de gostar uma da outra. 

Já a vi vencer um cancro. Já me apoiou quando deixei de acreditar em mim. 

Recentemente alcançou um dos seus maiores sonhos - Ser Mãe. E confiou-me o seu maior tesouro - Sou a madrinha.

Por razões profissionais é o 4º ano que não passo o dia com ela. Mas sabe que a levo sempre no coração.

Parabéns amiga. 

(O nome não digo. Ela não gosta destas coisas)

Sex | 19.07.19

Colocar-se no lugar do outro

RP

A importância de se colocar no lugar do outro é algo que urge nos dias de hoje. Olhamos imenso para o nosso umbigo e fazemos apenas o que achamos conveniente para nós. Mas há determinadas alturas em que as coisas não correm como gostaríamos e perguntamos porque é que uma pessoa nos faz isto ou aquilo. Nesses momentos gostaríamos que elas se pudessem colocar no nosso lugar e percebessem o quão alguma atitude nos está a magoar. Mas como pedir a alguém que faça algo que nós não fazemos?

A dor do outro é menor que a nossa porque não nos dói. Apenas quando nos atinge é que vemos que realmente dói e muito. E que se calhar isto que agora nos faz sentir injustiçados por estar a acontecer connosco infligimos a outras pessoas sem nos preocuparmos com os efeitos colaterais.

Não digo que tenhamos que dizer que sim a tudo. Pela nossa sanidade mental é preciso também saber dizer não e parar de rebaixarmo-nos para agradar tudo e todos por vezes prejudicando-nos a vida e a dos que nos rodeiam. Mas há que pensar sempre nos efeitos colaterais que podem acontecer a uma pessoa desencadeados por uma ação nossa. Pensar se gostaríamos que nos fizessem o mesmo.

Temos que “calçar os sapatos” do outro para perceber se dói ou não. Temos que ser sensíveis ao que não nos afeta diretamente. Será que se fosse eu a adolescente grávida gostaria que me chamassem nomes feios? Será que se fosse eu a miúda gordinha e desajeitada também não choraria em casa com a minha auto-estima baixa por dizerem que sou horrível? Por vezes não medimos o que dizemos, o que fazemos. Fazemos e pronto. Desde que nos safemos, ou não nos prejudique, os outros que se desenrasquem. O problema é deles. Não, não é. Nem pode ser. Não temos que pensar que somos superiores e que o que eles passam não é da nossa conta.

Temos que dar atenção ao outro. Perceber porque é que alguém reclama da mesma situação connosco. Tentar ver que se calhar o que achamos correto da nossa parte se nos colocarmos no lugar dele não é tão correto assim. Encontrar uma maneira de não nos prejudicar mas de pelo menos melhorar a posição da outra pessoa. Um dos grandes desafios da sociedade contemporânea é esse. Ver com os olhos do outro, perceber que nem sempre temos razão. Só descendo do nosso pedestal e sendo sensível se conseguirá derrubar barreiras e construir pontes.

Qui | 18.07.19

Wine and Music Valley

RP

Sem Título.png

 

Em Setembro vai decorrer o Wine & Music Valley, o primeiro grande festival totalmente inspirado no vinho, no Porto Comercial de Cambres (Lamego) nos dias 14 e 15 de setembro.

Segundo o Mood do Sapo "(...) assume-se como uma experiência de fusão musical e gastronómica, capaz de contribuir para o desenvolvimento do enoturismo na Região Demarcada do Douro – a mais antiga região vinícola do mundo. O Wine & Music Valley apresenta-se, assim, como um projeto anual de cariz nacional e internacional, capaz de gerar impacto económico e turístico para a região. No recinto de seis hectares, com capacidade para receber 15.000 pessoas por dia, a oferta será variada e sofisticada, a pensar nos amantes e apreciadores de vinhos, mas, também, em todos os que procuram experiências novas e distintas, valorizando os momentos de união e de convívio. A par com a oferta vinícola do festival, as propostas musicais também se revelam de peso, com o Wine & Music Valley a receber alguns dos maiores nomes do panorama nacional e internacional."

Entre os artistas estão Bryan Ferry, Mariza, António Zambujo e Dj Vibe entre outros. UMa boa oportunidade para quem gosta de vinho e o queira aliar à cultura musical. Não esquecendo claro as belas paisagens que só o Douro nos oferece. ;) 

Qua | 17.07.19

Reutilização Criativa de Materiais

RP

Decorre hoje na praia Frente Azul em Espinho um workshop sobre reutilização criativa de materiais.

A atividade consiste na construção de marcadores de livros tendo como matéria-prima os resíduos. demonstrando que estes podem ser um recurso.

Durante a atividade, os participantes serão de igual modo sensibilizados para a preservação do património natural e em particular para uma boa gestão para a prevenção do lixo marinho.

A atividade será realizada das 10h às 12h e será feita outra edição a 6 de Agosto.

Esta iniciativa é organizada pela LIPOR. Para saber mais sobre esta entidade pode fazê-lo aqui

logos_lipor_2017_87147789658bd716acb4a1_1.jpg

 

.

 

Ter | 16.07.19

Caminhada Vale do Cabrum

RP

Vocês já estão fartos de me ouvir falar nas minhas caminhadas.

Mas eu não me farto de falar sobre elas. E de caminhar. E de vos mostrar fotos.

Aqui fica mais uma... Dura por sinal. Não na distância ( foram apenas 10 km) mas na intensidade.

Foi numa freguesia da terrinha chamada Freigil.

Teve estrada, passagens no meio do povo, caminhos de fácil acesso, caminhos de difícil acesso, bosques, pontes romanas, ribeiro, andar de gatas, andar de "rabo no chão", andar agarrados a corda (foi a salvação), escorregadelas, nódoas negras, montes de poeira... Mas valeu imenso a pena.

Deixo-vos algumas fotos. 

66651926_432478794005381_3370127936551856888_n.jpg

67496188_1732871846845442_1402985236978930912_n.jp

65935277_769435130121331_9114653215553799237_n.jpg

65657187_650375278764307_6283014928466894740_n.jpg

65774120_115639966151011_8373979115620310738_n.jpg

62454156_160024171796207_6702667362012241015_n.jpg

65398086_129644938273665_4899529905776990089_n.jpg

 

65887998_1160627297444394_6320567296933313055_n.jp

63049845_476130259807282_5689976571617320089_n.jpg

 

64213493_327040091517511_3683532407247105458_n.jpg

 

65615182_390567865150617_6764188171235168501_n.jpg

65059919_350313912314507_6874923885970493132_n.jpg

 

 

 

Sab | 13.07.19

Festival de Folclore

RP

09

Esta noite apresento o "XIII Festival de Folclore dos Moleiros de Santa Maria de Cárquere".

Algo que me dá gozo fazer. Este género de música não é a minha favorita mas sou ligada às tradições e acho que devem ser mantidas. São elas que nos distinguem dos outros.

E sim em miúda também já fiz parte de um rancho. Só não faço agora porque é um nível de comprometimento muito elevado para mim tendo em conta que ando sempre de um lado para outro.

Vivam as tradições, vivam as pessoas que ainda as mantêm.

65362653_2407340469317323_3367915720603074560_n.jp