Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As Taras Da Lina

Geminiana de signo. Nascida à beira-mar e a viver nas montanhas. Gosto de viajar pelo mundo, pelos livros e pelo cinema. Licenciada em Comunicação. Dona de um pastor alemão. Convicta que a vida sabe sempre o que faz.

As Taras Da Lina

Geminiana de signo. Nascida à beira-mar e a viver nas montanhas. Gosto de viajar pelo mundo, pelos livros e pelo cinema. Licenciada em Comunicação. Dona de um pastor alemão. Convicta que a vida sabe sempre o que faz.

Qui | 07.11.19

The Aftermath

RP

Confesso que decidi ver este filme por causa da Keira. Não é que ela seja a minha atriz de eleição mas acho que tem jeito para escolher papéis. 

Recém-chegada em Hamburg, Rachel Morgan (Keira Knightley) é afetada de imediato pelo clima sombrio que a cidade conserva depois de ter sido inteiramente destruída durante a Segunda Guerra Mundial. Seu marido, o coronel britânico Lewis (Jason Clarke), foi encarregado de coordenar a reconstrução da região por tempo indeterminado. Em uma decisão unilateral, Lewis estabelece que o casal ficará hospedado na casa de um viúvo alemão, provocando sentimentos conflituosos em sua esposa. 

É apenas mais um no meio de montes e montes de filmes que têm como cenário a 2ª Guerra Mundial. E a história também acaba por ser um pouco mais do mesmo. O final não deixa de ter uma reviravolta interessante (apesar de ser uma reviravolta previsível). De qualquer das formas há sempre um ponto a favor chamado Alexander Skarsgard. E é o trio de atores que acaba por salvar o filme. 

Ter | 05.11.19

Não tenha medo de mudar os rumos da sua vida

RP

Mais um texto da Soma dos Afetos.

É muito bom o conforto que sentimos quando tudo caminha num ritmo constante, quando parece que as coisas estão andando nos trilhos, em seus devidos conformes. Quando nosso emprego está indo bem, quando filhos estão encaminhados, quando podemos tomar uma cerveja em paz no final de semana.

Pura ilusão. Quase nada podemos controlar o tempo todo, todo dia, toda hora, o tempo inteiro. Tudo pode mudar num segundo, num piscar de olhos e, quando percebermos, nada mais terá chance de ser como antes. Um acidente, um incidente, um problema financeiro, de saúde, a morte, o fim do amor – a gente cai e é obrigado a sair de onde estiver. Não há zona de conforto que seja intocável.

O mundo anda tão célere e imprevisível, que tentamos manter certa constância onde pudermos, para, ao menos, abrandar um pouco nossa ansiedade. Tudo bem manter a rotina em certos aspectos da vida, para que nossos sentidos possam se reorganizar aqui dentro, em meio aos imprevistos que chegam. O ruim é tentar controlar o mundo e resistir a todo e qualquer tipo de mudança.

Tem gente que não consegue mudar um abajur de lugar, não compra produto que não tenha determinada marca, não come se não for no restaurante X, nem bebe se não tiver a bebida Y. Não muda o tipo de blusa, de calça, de corte de cabelo. Passa as férias na mesma praia, na pousada de sempre, impreterivelmente na segunda quinzena. Fidelidade é admirável, no tocante a sentimentos, mas, no correr da vida, há que se ter variedade, mudança, avanços.

Ouse, de vez em quando. Faz tão bem. Mude a cor do cabelo, a altura do salto, o comprimento da saia. Mude o roteiro da estrada, as músicas da playlist, o livro de cabeceira. Mude por fora, mude por dentro. Prove novos sabores, assista a seriados mexicanos. Experimente novas praias, roteiros inusitados. Não tema mudar, não tenha medo do novo. Se nada é previsível, seja um pouco imprevisível também.

Acredite: surpresas libertadoras aguardam aqueles que ousam ultrapassar os limites ilusórios de sua zona de conforto.

Seg | 04.11.19

I Caminhada Cultural

RP

No dia 27 de outubro o Município de Resende organizou a I Caminhada Cultural, na Freguesia de Barrô.

Este evento, organizado no âmbito da inauguração das Obras de Conservação e Restauro a que a Igreja de Santa Maria de Barrô foi sujeita, permitiu a cerca de 80 participantes ficarem a conhecer não apenas o património natural da freguesia, mas também algum do seu património histórico e cultural, que se encontrava no percurso da caminhada, como, por exemplo, os lagares escavados na rocha, no lugar da Torre, e o Cruzeiro, na Seara

Finda a Eucaristia, que se seguiu à caminhada, foi feita a cerimónia de inauguração dos trabalhos de retificação, promovidos pela Rota do Românico, que incluíram três retábulos em talha e 12 esculturas de madeira, que se encontravam num deficiente estado de conservação com as adulterações sofridas no decorrer do seu percurso histórico.

Um evento que aliou o património natural ao histórico e que permitiu aos resendenses e visitantes ficarem a saber um pouco mais da sua história enquanto apreciavam toda a beleza que Resende oferece. 

Deixo-vos algumas fotos. 

IMG_1029.jpg

 

IMG_1045.jpg

74241442_2345750762218786_459875445601468416_n.jpg

74375704_2345752942218568_1200538458397868032_o.jp

75210647_2749245251760445_1498255850370760704_o.jp

74232862_440092273371059_7705478517969911808_n.jpg

 

 

Dom | 03.11.19

A Ilha

RP

Já por várias vezes vi posts na blogosfera e nas redes sociais sobre este livro.
Na altura deu curiosidade mas nunca cheguei a adquiri-lo. Entretanto este ano uma prima ofereceu-mo de prenda de aniversário. 

"Num momento em que tem que tomar uma decisão que pode mudar a sua vida, Alexis Fieldings está determinada a descobrir o passado da sua mãe. Mas Sofia nunca falou sobre ele, apenas contou que cresceu numa pequena aldeia em Creta antes de se mudar para Londres. Quando Alexis decide visitar Creta, a sua mãe dá-lhe uma carta para entregar a uma velha amiga e promete que através dela, Alexis vai ficar a saber mais. Quando chega a Spinalonga, Alexis fica surpreendida ao descobrir que aquela ilha foi uma antiga colónia de leprosos. E então encontra Fotini e finalmente ouve a história que Sofia escondeu toda a vida: a história da sua bisavó Eleni, das suas filhas e de uma família assolada pela tragédia, pela guerra e pela paixão. Alexis descobre o quão intimamente ligada está àquela ilha e como o segredo os une com tanta firmeza."

IMG_20190728_172944.jpg

Uma leitura comovente que atravessa gerações. Que nos mostra que quem não sabe de onde vem não sabe para onde vai. E que a família é de facto a base para tudo, o nosso principal pilar. E que por vezes quando não sabemos que caminho tomar basta ligarmo-nos a ela. 

Um dos melhores livros que li no passado recente. 

Sab | 02.11.19

Sabor do vento

RP

Levo a vida ao sabor do vento e deixo que ela me leve por meio dos planos que tem para mim.

Levo a vida ao sabor do vento, não de uma forma desleixada, tenho sempre ideia do rumo a tomar, mas ciente das mudanças que podem vir.

Levo a vida ao sabor do vento sabendo que por vezes não acontece o que quero mas acontece sempre o que preciso.

Levo a vida ao sabor do vento tendo consciência da responsabilidade dos meus atos e de que qualquer decisão traz consequências boas ou más que me serão cobradas no futuro.

Levo a vida ao sabor do vento e arrisco nos passos mesmo que no futuro eles se revelem errados.

Levo a vida ao sabor do vento tendo fé que o caminho que trilho é o que tem de ser.

Levo a vida ao sabor do vento e acredito que sempre que me tirem o chão, sempre que o coração se quebre, é porque irei aprender e este processo era necessário.

Levo a vida ao sabor do vento, certa que nada é em vão.

Levo a vida ao sabor do vento caminhando com calma e com alma.

Levo a vida ao sabor do vento, tratando dela e tentando não me meter nos passos e decisões de outros.

Levo a vida ao sabor do vento e creio que um dia chegarei aonde me esperam.

Levo a vida ao sabor do vento e tenho fé que a vida sabe sempre o que faz.

Sex | 01.11.19

O Tradutor

RP

Este filme é um murro no estômago a quem, tal como eu, é sensível a questões que envolvam doenças e crianças.

Acaba por ser um murro maior quando se descobre que, de facto, a personagem em questão existiu mesmo e é o pai dos realizadores do filme.

"Malin, um professor, vê sua vida transformada ao ser designado como tradutor na ala infantil de um hospital cubano. Ele deve servir de intérprete entre os médicos e as vítimas do acidente nuclear de Chernobil que acabam de chegar a Havana."

Para mim está aqui uma tocante, emocionante e das mais belas interpretações de Rodrigo Santoro.

Pág. 3/3