Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

As Taras Da Lina

Geminiana de signo. Nascida à beira-mar e a viver nas montanhas. Gosto de viajar pelo mundo, pelos livros e pelo cinema. Licenciada em Comunicação. Dona de um pastor alemão. Convicta que a vida sabe sempre o que faz.

As Taras Da Lina

Geminiana de signo. Nascida à beira-mar e a viver nas montanhas. Gosto de viajar pelo mundo, pelos livros e pelo cinema. Licenciada em Comunicação. Dona de um pastor alemão. Convicta que a vida sabe sempre o que faz.

Sab | 01.02.20

Era uma vez em Hollywood

RP

Tarantino soma e segue nas nomeações aos Oscares.

Confesso que não sou fã do realizador. Há filmes que gosto imenso, como aconteceu com o "Sacanas sem Lei" outros que depois de ver fiquei a pensar "Como é que alguém faz isto?", que foi o caso de "Aberto até de madrugada", para o qual escreveu o roteiro.

Mas voltemos ao Era uma vez...

Segundo a sinopse "Los Angeles (EUA). O ano é 1969. Rick Dalton é um actor de "westerns" televisivos que, juntamente com o seu duplo e amigo de longa data Cliff Booth, chega a Hollywood determinado a reavivar a sua carreira. Ali, os seus destinos vão cruzar-se com personagens que marcaram uma época. Entre elas está a jovem Sharon Tate, na altura grávida do cineasta Roman Polanski; e Charles Manson, cujos crimes cometidos por si e pelos seus seguidores chocaram o mundo, mudaram costumes e deram o mote ao fim do movimento "hippie".

O filme saiu no verão passado e toda a gente à minha volta me falava bem dele. Mas como vos disse eu sou "pé atrás" com o realizador e só agora, que ele é um dos nomeados aos Óscares, me dediquei a ele.

Eu juro, juro, que não me parecia ser um filme do realizador mas quando cheguei aos últimos 15/10 minutos pensei para comigo: "Ok, isto é a marca do Tarantino!". Os atores, apesar de não fazerem parte do meu rol de eleição admito que, fizeram um papel fantástico. O Leo com medo de ser sempre um ator falhado chega a ser comovente, e hilariante. O Brad como lobo em pele de cordeiro também está muito bem. E a Margot é uma dondoca no papel da Sharon.

Não vou ser spoiler mas vou dizer que o que mais gostei foi do facto de como já tinha feito em "Sacanas sem Lei" o realizador alterar o rumo do que sabemos que aconteceu. E se tivesse sido como no filme seria bem melhor.