Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

As Taras Da Lina

Geminiana de signo. Nascida à beira-mar e a viver nas montanhas. Gosto de viajar pelo mundo, pelos livros e pelo cinema. Licenciada em Comunicação. Dona de um pastor alemão. Convicta que a vida sabe sempre o que faz.

As Taras Da Lina

Geminiana de signo. Nascida à beira-mar e a viver nas montanhas. Gosto de viajar pelo mundo, pelos livros e pelo cinema. Licenciada em Comunicação. Dona de um pastor alemão. Convicta que a vida sabe sempre o que faz.

Dom | 02.09.18

(Re)começos

RP

Setembro começou ontem. O mês de recomeçar. O mês do regresso. 

Deixo-vos a minha crónica da Bird Magazine, da semana que hoje termina, que fala exatamente do mês de Setembro e acima de tudo de recomeços.

 

"Setembro está aí… O mês dos recomeços, do regresso às aulas, do regresso ao trabalho, do regresso à rotina. O mês de deixar o Verão e começar a dedicar-nos ao resto do ano que está a passar a correr. Mas não é destes recomeços que quero referir-me neste texto.

Refiro-me aos recomeços da vida, aqueles interiores. Refiro-me a ter a coragem de largar o que não nos faz bem, o que não nos soma e começar de novo, do zero, começar até do negativo se for preciso. Sim, estamos sempre a tempo de começar. Eu sei que falar é fácil. Preferimos viver confortavelmente infelizes e com a dúvida do “E se?” a ter que largar tudo e mudar o rumo. Mudar o rumo assusta. Assusta sair da nossa zona de conforto. Assusta deixar o certo pelo incerto. Mas se o certo não nos faz feliz porquê continuar lá? Porquê insistir?

Uma altura li um texto, cuja autoria é de uma página de Facebook intitulada “Só que não”, e que passo a citar uma parte do mesmo:

“Não tentes calçar sapatos apertados! Por muito que eles te pareçam bonitos; por muito que te apeteça calçá-los e por muito que aparentemente eles te fiquem bem, nunca serão a tua medida. Aos poucos, devagarinho, vão começar a incomodar-te. Como uma moinha que vamos aguentando, mas que sabemos que existe. E, aos poucos, devagarinho, começas a perceber que o que querias que te assentasse bem – à força – , o que querias que te servisse, não passa de uma farsa. De um conforto que não existe e de uma felicidade que nunca chega. (…) Não fiques em sítios que não têm a tua morada, não te demores em pessoas que não se demoram em ti e não aceites amores que não são teus. Se na vida só tiveres experimentado sapatos apertados, nunca hás de saber o que é a felicidade de caminhar nuns sapatos confortáveis."

Foi um murro no estômago. Sabem quando a cabeça percebe mas vocês não querem ver isso? De facto, mudar assusta, custa, dói até. E muitas vezes somos nós que batemos o pé e não queremos mudar. Estamos ali todos os dias à espera que algo mude, que as pessoas mudem, que a felicidade chegue quando deveríamos entender que a mudança depende de nós. A felicidade depende de nós. É como a beleza vem sempre de dentro para fora. Portanto recomecem, aos pouquinhos, um passinho de cada vez. Vai custar? Vai. Vai doer? Vai. Vai demorar a passar? Vai. E se acharem que demora muito não se assustem. Todos nós temos o nosso próprio ritmo e está tudo bem.

Um dia estaremos agradecidos por termos tido a coragem de recomeçar. Agora podemos não perceber o porquê mas mais para a frente entendemos que por vezes o que nos acontece não é o que queríamos mas é o que precisávamos. Recomecem. As vezes que for preciso. Recomecem, não por mim, nem por outros mas por vocês. Mas recomecem. Todos os dias são bons para investirmos na nossa felicidade."

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.