Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

As Taras Da Lina

Comunicadora, Sonhadora, Sardenta, Desastrada q.b., Geminiana, Cinéfila, Leitora Compulsiva, Fotógrafa Amadora, Dog Person e Cidadã do Mundo mas a viver em Portugal. Be my guest ;)

As Taras Da Lina

Comunicadora, Sonhadora, Sardenta, Desastrada q.b., Geminiana, Cinéfila, Leitora Compulsiva, Fotógrafa Amadora, Dog Person e Cidadã do Mundo mas a viver em Portugal. Be my guest ;)

O Mapa que me leva até ti

Este é o meu mais recente acompanhante. 

Uma leitura leve, a chamar o Verão que por estes dias não quer aparecer.

E apesar de não ser grande fã de romances estou a gostar.

 

IMG_20180607_135844_222.jpg

 

 

"Heather já acabou os estudos e está prestes a aceitar uma proposta de emprego num grande banco em Manhattan. Antes disso, no entanto, decide fazer uma viagem de comboio pela Europa com as amigas. Umas férias merecidas, antes de começar a vida adulta.

Até aqui, tudo normal, certo?

Mas quando um rapaz chamado Jack lhe pede licença e trepa pelo seu assento no comboio para se deitar a dormir no compartimento de bagagens, Heather percebe que esta viagem talvez não vá ser tão normal assim. Chegados a Amesterdão, já são inseparáveis.

Enquanto descobrem os canais da cidade holandesa, Jack partilha com Heather os motivos da sua viagem. Tem um velho diário, do seu avô, que refere todos os sítios aonde quer ir.

O casal, juntamente com uma série de amigos, vai acabar por percorrer o itinerário do avô de Jack o melhor que pode.
Mas será que Jack está a contar a Heather tudo sobre o seu passado? E será o encanto do velho continente suficiente para cimentar um amor que apareceu do nada?"

 

IMG_20180607_135735_812.jpg

 

É de leitura fácil. E o facto de se passar numa viagem pela Europa e eu ser fã de viagens ajuda, claro.

Recorda-me um pouco o "Antes de Amanhecer".

Ainda só vou a meio mas mais uma tardezita dedicada a ele e despacho-o. :)

E por aí? Já leram?

 

 

IMG_20180607_135814_734.jpg

 

 

Caminho de Santiago - Parte II

Olá!

Há algum tempo que não passo cá... Quem me tem seguido no instagram ainda vai vendo uma ou outra peripécia em que me coloco. Decidi passar hoje porque acabei de chegar de férias. Essas que foram aproveitadas não para descansar mas para continuar algo que comecei o ano passado, o meu caminho de Santiago. 

O ano passado, mais concretamente em Março, decidi embarcar numa aventura que já tinha planeado há anos. Na altura fui de Valença até Santiago de Compostela numa jornada que me inspirou e me desafiou mas que foi completamente gratificante. (Podem ver mas aqui).

Este ano decidi que estava na altura de percorrer outra vez os caminhos mas em modo diferente. Em vez de ir até Santiago, saí de lá e fui até Finisterra, que supostamente era onde acabava o caminho original antes da Igreja se colocar nesta peregrinação, mas isso é outra história. As minhas companheiras de caminho com as quais originalmente iria outra vez tiveram à última da hora outros caminhos para percorrer e não puderam. De qualquer forma não fui sozinha. Levei um amigo e duas primas que são como irmãs para mim. 

Foram 4 dias e quase 100 km com altos e baixos na moral e principalmente nos trilhos que percorríamos, com ais, uis e não aguento que afinal era mentira porque todos aguentamos, com pessoas fantásticas e coincidências que só mesmo o caminho para nos apresentar, com espírito de equipa e ânimo, com força transmitida por quem passávamos e encorajadores "Falta pouco!", com pés moídos, pernas cansadas e cara queimada do sol mas que valeram a pena quando chegamos ao marco do km 0 e avistamos a imensidão do mar em Finisterra.

Chegar à meta tem aquela sensação de não andamos mais. Aquela sensação de dever cumprido. Aquela sensação que não faço ideia de como exprimir. Naquele momento não importa se algum dia chegaremos perto da versão de pessoa que gostavamos de ser, os problemas que nos tentam pôr em baixo ou se algumas pessoas não gostam de nós da forma que desejavamos que o fizessem.  Naquele momento chegamos a Finisterra. Cumprimos o objectivo. E estar na escarpa do farol de pés ao alto a levar com a brisa do mar na cara e no cabelo é o melhor prémio que poderíamos receber.

Não sei se farei do caminho uma rotina anual ou se torno a fazer outro daqui a 20 anos ou nunca mais. Sei apenas que a partir de momento que vives o caminho ele passa a viver em ti.

Deixo-vos algumas fotos. E caso estejam interessados em fazer o mesmo força! E Buen Camiño!

 

IMG_1666.JPG

 

IMG_1714.JPG

 

IMG_1792.JPG

 

IMG_1825.JPG

IMG_1950.JPG

 

IMG_1953.JPG

 

IMG_1905.JPG

 

IMG_1910.JPG

 

IMG_1981.JPG

(Fotos da minha autoria e da autoria de companheiros do caminho)

 

Berlim

Berlim foi um desafio. Decidi que estava na altura de fazer a minha primeira viagem sozinha. E apesar de não falar alemão atirei-me de cabeça. Afinal toda a gente percebe inglês... E gestos também. 

Aprendi logo mal cheguei que se estás sozinha no comboio que supostamente pára na estação próxima do hostel em que vais ficar e começas a ouvir o nome da paragem que queres 4 ou 5 vezes misturadas com outras palavras em alemão das quais não apanhas nada é bom que ponhas cara de parva como quem diz "Socorro!". Só assim terás uma alma caridosa que vai olhar para ti e dizer em inglês: "Não percebeu pois não? Vai ter que trocar, é que este afinal já não anda mais."

Apredi que a teoria que os cães polícias são pastores alemães só funciona nas séries de tv. Todos os cães polícias que vi  nenhum, repito nenhum, era pastor alemão. Aliás nem sequer vi pastores alemães.

Aprendi também que é muito bonito dizer de boca cheia: "Ah e tal sou muito corajosa em viajar sozinha. Vai ser um desafio, não ter a quem recorrer e bla bla bla" mas na realidade acabei por encontrar pessoal da minha terra, estamos em todo o lado e a ir jantar lá a casa num dos dias.

Aprendi ainda que tenho ares de alemã ao ser interpelada por dois jornalistas que depois de falar para mim super rápido e em alemão apenas sorri e disse: "Sorry I'm not german." Aprendi, aliás descobri, que também posso ter ar de russa. Ao chegar a uma bilheteira e pedir em inglês a senhora respondeu num idioma que me deixou a olhar para ela com cara de tacho ao que ela depois responde: "Oh you're not russian."

Constatei que a Alemanha é o país que visitei com a quantidade maior de homens giros por m2, ou então saíram todos à rua enquanto por lá andei. 

Visitei a "Topografia do horror" será talvez um dos lugares mais pesados em que estive até agora. No entanto não deixa de ser, a meu ver, um dos lugares obrigatórios a visitar. Para quem não sabe é possível ver toda a história desde a ascenção até à queda do governo de Hitler. Um edifício com documentação e imensas fotos da 2a guerra, do holocausto, dos presos políticos que ajudavam os judeus, etc, etc. Para onde quer que olhe é mesmo o horror que se vê. Visitei também Centro de Documentação do Muro de Berlim. É possível conhecer histórias de sobreviventes que passaram o muro por lugares escondidos, a história política e rostos dos que foram mortos. No fim vemos um documentário sobre os dias da queda e a alegria do reencontro de Este e Oeste.

Visitei ainda muitos mais monumentos da cidade. Uma curiosidade é que todos eles, ou quase todos, têm marcas de balas, de forma a que não esqueçamos o passado.

Foi uma aventura, ri-me, perdi-me,emocionei-me e não caí na neve nem sei como. Provei salsicha, que é boa, e Berliner que é a Bola de Berlim e digo-vos já que a nossa dá 10 a 0 à alemã :) Andei de trenó, sorri para alemães trombudos no metro e acima de tudo provei a mim mesma que me desenrasco sozinha. E se eu consigo vocês tambem conseguem.

Deixo-vos algumas fotos e votos de muitas aventuras ;)

IMG_1348.JPG

 

IMG_1465.JPG

 

IMG_1586.JPG

 

IMG_1352.JPG

 

IMG_1418.JPG

 

 

IMG_20170130_120112.jpg

 

IMG_20170131_125935.jpg

 

IMG_20170131_145233.jpg

 

IMG_20170201_104255.jpg

 

IMG_20170201_104801.jpg

 (Fotos da minha autoria)

 

Companhias de viagem

Viajo sempre acompanhada. Posso até ir sozinha fisicamente mas "levo" sempre alguém comigo.
Levo os meus pais na cabeça e as mil e uma recomendações e avisos como "Liga quando chegares" ou "Cuidado a andar sozinha na rua à noite."
Levo os meus amigos, em cada fotografia que tiro acho que ficávamos mesmo bem ali em grupo, penso o quanto uma ia gostar de experimentar aquele doce típico que estou a comer ou que o outro ia achar um piadão àquele quadro do museu. Lembro até daqueles mais mandriões quando vejo um banco de jardim e penso "Ao que já andei se aqui estivesse fulano já estava ali alapado".
Levo a minha família, a minha irmã e o seu feitiozinho que nunca sei o que lhe trazer, os meus primos com quem partilhei a infância e recordo quando falávamos de mundos longínquos, mundos esses que atualmente vou tendo a sorte de conhecer.
Levo os tios que sempre me disseram: "Vais viajar? É isso tudo aproveita enquanto podes!".
Levo-os a todos, quando tiro as fotos, quando compro as recordações, quando olho à minha volta e absorvo tudo, ou quando estou simplesmente a tomar o café numa esplanada e a escrever textos que surgem do nada. Levo-os sempre na cabeça e no coração. A partir de hoje, levo uma que sempre levei mas num lugar novo. Passa a ir também na mochila, pronta a ouvir os meus devaneios por esse mundo fora.
 
P.S. A próxima aventura é já domingo. Sugestões para uma moça 4 dias em Berlim há? ;)

16194925_1406758929342424_3765531308846340166_n.jp

  (foto da minha autoria)

 

Escapadela Belga

     Nos passados dias 7 a 10 deste mês fiz uma escapadela belga. Com casa em Bruxelas aproveitei que consegui tirar uns dias e juntei mais duas amigas para partir à aventura. Saímos de Portugal com um clima Primavera a espreitar o Verão e mal aterramos em Charleroi fomos recebidos com um "Winter is coming" assim na ronda dos 10 graus, que para eles é algo como super normal e quente nesta altura do ano. Uma nota que vos deixo é a de apenas decidir ir para o aeroporto de Charleroi se alguém vos for buscar ou se a viagem para o aeroporto de Zaventem for de uma diferença superior a 30€. Porque o bus é 28€ se comprarem pela net e 34€ se comprarem lá. A viagem de bus anda à volta dos 50 minutos até à Gare du Midi. 

     Chegadas à cidade a primeira coisa que salta à vista são os tropas. Imensos camiões e soldados armados com armas que só mesmo em filmes e nas notícias é que vemos. Ninguém na rua me pareceu com medo do terrorismo mas acaba por ser um pouco estranho ver os soldados a entrar no metro ou a passar por nós na rua a olhar-nos de alto a baixo como se fossemos suspeitos. Outra das coisas que também verão são murais. Os belgas têm imenso orgulho nos artistas e nos seus desenhos, então murais com o Tintim, os Strumfs e outros é algo constante e bastante presente na cidade. No que toca a itinerário Bruxelas é um local de fácil acesso com os pontos a visitar relativamente perto uns dos outros. A minha sugestão é que comecem na Grand Place, que a meu ver de dia é bonita mas de noite é imponente e vão explorando as ruelas a partir daí. Numa das ruelas encontrarão o Manneken Pis. Mas cuidado! O símbolo da cidade é tão grande (NOT) que ainda passam por ele sem o ver. A sorte é que está sempre por lá um aglomerado de turistas a tirar fotografias. Essa rua é um atentado a qualquer carteira (à diabetes também)! Numa porta têm uma loja de souvenirs, ao lado têm waffles e depois têm chocolataria, seguidamente souvenirs, waffles e chocolataria... E assim sucessivamente. No que toca a chocolatarias entrem em todas, provem de tudo o que vos oferecerem e aproveitem que o chocolate belga é qualquer coisa e a dieta fica em casa! :) Os meus recuerdos para o pessoal foi basicamente chocolates. Apesar da variada oferta optei pela Leónidas que é uma marca que ainda não está muito presente no mercado nacional. Não fossem eles pensar que eu tinha ido aqui ao Lidl ou ao Pingo Doce para os chocolates me saírem mais baratos ahah.

Pontos a visitar:

  • Grand Place
  • Manneken Pis (e toda a sua rua envolvente)
  • Centro Belga da Banda Desenhada 
  • Praça dos Mártires
  • Basílica
  • Praça Real
  • Palácio Real
  • Sablon
  • Parque do Cinquentenário
  • Parlamento Europeu
  • Atomium (de noite fica super giro com iluminação)
  • Mini Europa (fecha às 18h)

     Haverão outros mas aqui estão indicados apenas aqueles pelos quais passei. Sítios como a Igreja de Santa Catarina e a Tour Noire estive apenas à porta mas também muito provavelmente se cruzarão com eles ao explorar as ruas. NOTA: Os cinéfilos têm perto da Igreja de Sta. Catarina um monumento que é um cilindro de cinema.

     Se tiverem tempo dêem um salto a Bruges. A viagem de comboio anda à volta dos 30€ mas se forem ao fim de semana há uma redução para 15€ e uns trocos ir e vir. Bruges, ou a Veneza do Norte é uma cidade mais acolhedora. Parece também tirada de um conto de fadas com as casinhas e os barquinhos. 

O que é que aconselho em Bruges?

  • Passeio de barco. (Fica-se a conhecer grande parte da cidade.)
  • Grote Market
  • Burg
  • Igreja
  • Choco Story (um museu com a história do chocolate)
  • Belfort
  • Café Vlissinghe (o café mais antigo de Bruges, onde almoçamos)

     E quanto a waffles e chocolates as ruas estão equiparadas a Bruxelas. É porta sim, porta sim. E pronto não vos chateio mais até porque o post já vai longo deixo apenas algumas imagens com votos de boas viagens... a Bruxelas ou a qualquer lugar ;) 

IMG_5223.JPG

Grand Place

IMG_20161007_174902.jpg

O famoso Manneken

IMG_6888.JPG

Waffles por todo o lado

IMG_20161007_140634.jpg

Mural da Gare du Midi

IMG_5282.JPG

Cilindro do cinema

IMG_5377.JPG

Centro Belga da Banda Desenhada

IMG_20161008_185340.jpg

Atomium

IMG_5434.JPG

Pedaço do Muro de Berlim frente ao Parlamento Europeu

IMG_5507.JPG

Bruges

IMG_5575.JPG

 Grote Market

 

IMG_5659.JPG

Caixas de chocolate vintage no ChocoStory

IMG_5611.JPG

Café Vlissinghe

(Fotos da minha autoria)

Islas Cies

Este fim de semana fui às Ilhas Cies.

Nem sempre é fácil conciliar folgas com o grupo de amigos tendo todos horários rotativos.

Aproveitando um fim de semana livre comum a todos decidimos que estava na altura de visitar este local tão na moda.

È um destino relativamente perto, nos fomos de carro até ao Porto mas há muita gente a ir de comboio, e barato.

Escolhemos acampar por lá e levar a marmita para os dois dias. Apesar da ilha ter café, restaurante e supermercado, os preços não são os mais apetecíveis.

Para quem gosta de ficar de papo para o ar não há melhor. As praias são de areia branca e fininha e a água é tão transparente fazendo lembrar as Caraíbas.

Para quem, tal como eu, não consegue fazer só umas férias de "come e dorme" também é uma boa opção. Há imensos miradouros com percursos que podemos fazer a pé para "desbravar" e descobrir a ilha.

Nós fizemos a mescla. E é sem dúvida o melhor a fazer.

Duas notas contra:

- Se querem escapar de Portugal e de tudo o que liga ao nosso país esqueçam. O que não falta lá são portugueses.

- Se não gostam de água fria preparem-se. Aquelas águas fazem as do norte do nosso país parecer sopa a sair da panela. Mas é só no início, até porque primeiro estranha-se depois entranha-se. ;)

Nós adoramos a experiência, mesmo com os contras. E vocês, já foram até lá?

IMG_20160917_144109.jpg

 

IMG_20160917_144422.jpg

 

IMG_20160917_145823.jpg

IMG_20160917_153928.jpg

 

IMG_20160918_094124.jpg

 

IMG_20160918_110433.jpg

IMG_20160918_123159.jpg

 

 

 (Fotos da minha autoria)

 

 

Vistas do Escritório #5

Hello darlings,


Eu sei que ando desaparecida daqui mas deve-se ao facto da série "Escritório Móvel" ter renovado outra temporada.

A modos que fico sem tempo para o resto.

Só uma espreitadelazita às redes sociais e pouco mais.

Espero que estejam todos bem.

Ora adivinhem lá por onde andei. 

Beijinhos e até breve ;)

IMG_20160722_120811.jpg

IMG_20160728_120525.jpg

IMG_20160727_161228.jpg

 

IMG_20160801_132038.jpg

 

IMG_20160723_141742.jpg

 

IMG_20160724_111118.jpg

 

IMG_20160725_171640.jpg

 (Fotos da minha autoria)