Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

As Taras Da Lina

Geminiana de signo. Nascida à beira-mar e a viver nas montanhas. Gosto de viajar pelo mundo, pelos livros e pelo cinema. Licenciada em Comunicação. Dona de um pastor alemão. Convicta que a vida sabe sempre o que faz.

As Taras Da Lina

Geminiana de signo. Nascida à beira-mar e a viver nas montanhas. Gosto de viajar pelo mundo, pelos livros e pelo cinema. Licenciada em Comunicação. Dona de um pastor alemão. Convicta que a vida sabe sempre o que faz.

Dom | 11.11.18

Tempo de Outono

RP

É tempo de Outono. Olho para a janela e vejo as folhas caírem. Esta estação é tão bonita com as suas cores douradas, vermelho e castanho. É poesia em forma de imagem para quem dedicar um minuto do seu tempo a ver com atenção.

É tempo de aconchego. Pede mantas e chás (ou chocolate quente). Pede livros e filmes no sofá. Pede abraços. Pede um ombro para repousarmos a cabeça enquanto se ouve a chuva lá fora. Pede calor da lareira ou do nosso amigo de quatro patas para nos aquecer o corpo. Pede calor humano para nos aquecer a alma.

É também tempo de melancolia. Pensámos no Verão e nos dias que se foram. Pensámos, mais que o costume, nas pessoas que se foram. Algumas delas eram o nosso calor humano e é no Outono que lhe sentimos (ainda) mais a falta. Pensámos que mais um ano está a chegar ao fim e em tudo o que planeamos e a vida trocou as voltas.

Mas é também, e ainda bem, tempo de renovação. As folhas caiem e apesar de ser um processo triste não deixa de ser necessário. É preciso que as folhas caiam para que outras novas surjam. E é isso que devemos aprender com o Outono. É preciso deixar cair o gasto, o que está velho, o que não nos serve ou o que não merecemos para que o bom, novo, o que realmente precisamos e merecemos chegue até nós. Apenas deixando ir o que não faz mais sentido estaremos prontos a receber o que nos está destinado.

É tempo de Outono. Apreciem a sua beleza. Foquem-se na renovação, no deixar ir. Leiam, vejam filmes ou simplesmente enrosquem-se na manta no sofá com quem mais gostam. Deixem que o vento vos despenteie ou a chuva vos molhe o cabelo. De vez em quando não faz mal. De vez em quando sabe bem. Lambuzem-se de chocolate quente. Lambuzem-se de amor, principalmente o próprio. Abram os braços para o receber. E para receber todas as transformações que o processo de deixar cair o que não nos serve vos trará à vida.

4 comentários

Comentar post